Shopshow remove mais de 660 vídeos do Youtube e outras plataformas | TVSHOPSHOW.com Televisão via Internet

SALVADOR, 24/05/2015 A TV Shopshow retirou das redes mais de 660 videos de feirantes de São Paulo, Minas, Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe. Os vídeos foram gravados entre 2010 e 2014 e somados alcançaram mais de Dois milhões de visualizaçõe...

youtube, shopshow, videos, remover

Shopshow remove mais de 660 vídeos do Youtube e outras plataformas

Publicado por: Redação
24/05/2015 03:09 PM

SALVADOR (24/05/2015) - Neste domingo, a TV Shopshow retirou do ar e das redes mais de 660 videos de feirantes de São Paulo, Minas, Caruaru, Toritama e Santa Cruz do Capibaribe. Os vídeos foram gravados entre 2010 e 2014 e somados alcançaram mais de 4 milhões de visualizações na plataforma do Youtube.

 

O custo do projeto ao longo do período foi de R$ 296.200,00 distribuidos entre gravações, edições e servidores. Segundo, alguns feirantes, no mesmo período, foram realizados vendas acima de R$ 20.900,00 na média, estimando-se um faturamento aproximado de R$15 milhões de reais.

 

Inicialmente a ideia era apenas saber se essa modalidade de comunicação infomercial daria resultado para pequenos comerciantes de roupas e desconhecidos do grande público e qual seria a reação do mercado ao ver grande variedade de produtos com preços absolutamente baixos, num canal de TV online especialista em varejo de moda, no ar 24 horas por dia, para todo o país em todos os dispositivos móveis.

 

Por outro lado, o foco foi  facilitar a vida do consumidor que poderia ver os produtos e interagir com o comerciante antes de efetuar a compra, reduzindo seus custos de deslocamento e riscos de viagem. Deu certo, fabricantes afirmam terem tido resultados surpreendentes, com ligações e vendas inclusive para outros países.

 

Diante disso, a equipe do Shopshow entendeu que é hora de renovar a grade e oferecer ao público novos produtos, novos fabricantes e novas opções de compra. Segundo Mike Nelson, "o numero de compras poderia ter sido muito maior não fosse a falta de interação e conhecimento básico de internet, de 90% por cento dos feirantes que sequer dispunham de um simples email além de um atendimento ao telefone sofrivel".

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários