A economia e a Bíblia cristã | TVSHOPSHOW.com Para Smart TV PC e Mobiles

  José Pio Martins* A época de Natal não é muito propícia para discutir economia, pois as atenções estão concentradas nas férias e nas festividades. Mas, como os problemas econômicos, os nacionais e os pessoais, insistem em invadir nosso cotidiano sem ...

biblia, lucas, economia, politico, corrupção

A economia e a Bíblia cristã

Publicado por: Redação
26/12/2015 04:46 PM

 

José Pio Martins*

A época de Natal não é muito propícia para discutir economia, pois as atenções estão concentradas nas férias e nas festividades. Mas, como os problemas econômicos, os nacionais e os pessoais, insistem em invadir nosso cotidiano sem pedir licença, dá para usar o livro do aniversariante - a Bíblia cristã - a fim de extrair algumas lições para a gestão da economia do país e das finanças pessoais. A Bíblia é rica em lições úteis. Citarei três.

 

Começo com a advertência feita aos políticos e aos homens de governo em Lucas 11,46, que diz: "Ai de vós, doutores das leis, que carregai os homens com cargas difíceis de transportar quando vós mesmos nem com um de vossos dedos tereis de tocá-las". Teoricamente, quando um político se elege, sua preocupação prioritária é com o bem público e em servir ao povo. Só teoricamente. Na prática, a primeira preocupação de um político é consigo mesmo e seu objetivo principal é a manutenção do poder.

 

Se, para ter êxito pessoal e conseguir permanecer no poder, o político precisa servir ao povo, isso é apenas uma feliz coincidência. A primeira tendência do político no poder é inchar o Estado, conceder vantagens a si e aos que tripulam a máquina de governo e sobrecarregar a sociedade com tributos e dívida (dívida pública é dívida do público).

 

A segunda lição está em Lucas 14,28-30, que ensina: "Qual de vós, querendo edificar uma torre, não se assenta primeiro a fazer as contas dos gastos, para ver se tem com que a acabar? Para que não aconteça que, depois de haver posto os alicerces, e não a podendo acabar, todos os que a virem comecem a escarnecer dele, dizendo: este homem começou a edificar e não pôde acabar". Esse ensinamento deveria ser pregado nos gabinetes de todos os governantes e burocratas que têm a responsabilidade de gerenciar o dinheiro público. No Brasil, com um enorme canteiro de obras inacabadas, malfeitas e superfaturadas, cujo exemplo presente mais relevante é o escândalo da Petrobras, essa lição deveria ser adotada como prece matinal de todos os executivos estatais.

 

A terceira lição vem da parábola do semeador, que está em diversos livros bíblicos, um deles Mateus 13,1-9, e pode ser usada com significados diversos: "Certo homem saiu a semear. Uma parte das sementes caiu à beira do caminho, vieram as aves e as comeram. Outra parte caiu no meio de pedras, onde havia pouca terra, e as sementes brotaram; mas, tendo saído o sol, elas secaram, pois não tinham raízes. Outra parte das sementes caiu no meio de espinhos; estes cresceram e as sufocaram. Outra parte caiu em terra boa e deu frutos, produzindo até cem vezes mais". A lição serve para nossa vida profissional, para o empreendedor privado e, sobretudo, para o governo e suas estatais. O cipoal de desperdício e corrupção que a imprensa denuncia diariamente é prova de quanta semente (tributos) é lançada em solo infértil sob a direção de administradores incapazes e corruptos. Estima-se que, embora o Brasil tenha renda per capita de US$ 11 mil/ano, um quinto disso é jogado no lixo do desperdício e da corrupção.

 

Em menos de dois anos, o Ministério Público Federal (MPF) ingressou com 33,3 mil ações contra pessoas suspeitas de praticar ato de corrupção no país. Em média, foram 50 ações por dia. São números do banco de dados do MPF. Roberto Campos parecia ter razão quando dizia que, no governo, prevalecem dois tipos de burocratas: os que são incapazes e os que são capazes de tudo.

 

*José Pio Martins, economista, é reitor da Universidade Positivo.

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar