Protetores solares têm químicos que são absorvidos pelo sangue | TVSHOPSHOW.com Televisão para os Dispositivos Conectados

Um novo estudo da FDA comprova que os protetores solares têm substâncias químicas que são absorvidas pelo nosso sangue.   Em maio de 2019, um estudo piloto realizado pela Administração de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos (FDA) mostrou que os ingre...

saude, depressão, riscos, tratamentos, esclerose, medicamentos, sus, ensolação, protetor, riscos

Protetores solares têm químicos que são absorvidos pelo sangue

Publicado por: Redação
02/02/2020 02:09 PM
skeyndor / Flickr
skeyndor / Flickr

Um novo estudo da FDA comprova que os protetores solares têm substâncias químicas que são absorvidas pelo nosso sangue.

 

Em maio de 2019, um estudo piloto realizado pela Administração de Drogas e Alimentos dos Estados Unidos (FDA) mostrou que os ingredientes de vários protetores solares entram na corrente sanguínea depois de apenas um dia de uso.

 

Agora, um novo estudo realizado pela FDA, publicado na revista científica Journal of the American Medical Association, comprova isso mesmo: estes cremes têm componentes químicos que são absorvidos pelo nosso sangue.

 

Janet Woodcock, diretora do Centro de Avaliação e Investigação de Medicamentos da FDA, explica que apesar desta conclusão, isto “não significa que seja inseguro” usar protetor solar e que, para isso, são necessárias mais pesquisas.

Numa entrevista à agência Reuters, o diretor de dermatologia da Universidade George Washington e membro da Academia de Dermatologia dos EUA, Adam Friedman, partilha da mesma opinião.

 

“Foi completamente mal interpretado. Só porque está no sangue não significa que não seja seguro. Também não significa que seja seguro. Essa é uma resposta que ainda não sabemos”, afirma.

 

No novo estudo científico, a FDA procurou perceber se os componentes dos protetores solares excediam as 0,5 nanogramas por mililitro de sangue em quatro produtos utilizados aleatoriamente por 48 pessoas.

 

Foram avaliadas três substâncias químicas já analisadas na primeira pesquisa — avobenzona, oxibenzona e octocrileno — e três novas — homosalato, octissalato e octinoxato.

 

Os voluntários no estudo aplicaram o protetor solar em 75% do seu corpo uma vez no primeiro dia e, depois, quatro vezes por dia durante outros três dias. Todos ultrapassaram o limite que estava a ser testado.

 

Woodcock declara que este novo estudo enfatiza a necessidade de os fabricantes testarem se os seus protetores solares são seguros quando absorvidos pela corrente sanguínea.

 

A FDA já certificou que a alternativa são os protetores solares que bloqueiam os raios do sol com minerais, como o óxido de zinco ou o dióxido de titânio. No entanto, também descobriu que estes, apesar de serem seguros, geralmente deixam resíduos na pele.

 

 

Fonte: Planeta ZAP // RT

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Vídeos relacionados

Comentários