Criada a ligação de Internet mais rápida do mundo. Basta 1 minuto para baixar todo o catálogo da Netflix | TVSHOPSHOW.com Televisão via Internet

Uma equipe de investigadores da University College London, no Reino Unido, conseguiu criar a ligação de Internet mais rápida já registada com sucesso.   Segundo o jornal britânico The Independent, os especial...

tecnologia, negócios, empreendimentos, aplicativos, designers, projetos, startup, internet

Criada a ligação de Internet mais rápida do mundo. Basta 1 minuto para baixar todo o catálogo da Netflix

Publicado por: Redação
30/08/2020 01:22 PM

Uma equipe de investigadores da University College London, no Reino Unido, conseguiu criar a ligação de Internet mais rápida já registada com sucesso.

 

Segundo o jornal britânico The Independent, os especialistas conseguiram transmitir dados a 178 terabits por segundo – o dobro da capacidade de qualquer sistema usado atualmente no mundo e um quinto mais rápido do que o recorde anterior, alcançado no Japão.

 

Para chegar a esta velocidade, que é também quase três milhões de vezes mais rápida do que as conexões domésticas no Reino Unido, a equipa do UCL usou amplificadores para melhorar a forma como a luz transporta dados digitais pela banda de fibra ótica.

 

A velocidade de conexão alcançada é tão rápida que é capaz de descarregar todo o catálogo da plataforma de streaming Netflix em apenas um segundo.

 

Lidia Galdin, que liderou a equipa num laboratório de Bloomsbury, afirmou, citada em comunicado, que esta “banda ultra-larga” dará suporte à próxima geração da Internet, suportando redes móveis 5G utilizadas por aplicações que consumem grandes quantidades de dados, como os futuristas carros sem condutor e infraestruturas de cidades inteligentes.

 

O aumento da velocidade que culminou num novo recorde foi alcançado porque os investigadores foram capazes de transmitir dados através de uma gama de cores muito mais ampla do que a que é normalmente utilizada em fibra ótica.

 

Combinando diferentes tecnologias de amplificador, a equipa conseguiu fazer um melhor uso das propriedades da luz que transmitia os dados, permitindo-lhes assim manipular especificamente cada comprimento de onda individual.

 

Os resultados da investigação foram esta semana publicados na revista científica especializada EEE Photonics Technology Letters.

 

Fonte: Planeta ZAP //

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Comentários