Mulheres com idade entre 25 e 44 anos têm mais chances de sofrer AVC, diz estudo

Publicado por: Redação
25/03/2023 11:06 PM
Exibições: 190
Cortesia Editorial Pixabay/iStock
Cortesia Editorial Pixabay/iStock

O neurocirurgião, Victor Hugo Espíndola, explica que os altos níveis de estresse fizeram com que, cada vez mais, mulheres sofressem com o AVC

 

Mulheres com idades entre 25 e 44 anos têm mais chances de sofrer um Acidente Vascular Cerebral (AVC), do que os homens com a mesma faixa etária, diz estudo publicado no periódico Stroke, da American Heart Association.

 

Victor Hugo Espíndola, neurocirurgião, explica que existem dois tipos de AVC. O isquêmico é mais comum, responsável por 85% dos casos. Ele acontece quando tem obstrução de alguma artéria que irriga o cérebro. E aquela artéria que é obstruída  não vai mais conseguir levar o sangue para determinada região do cérebro. Assim,  aquela região vai sofrer o AVC Isquêmico.

 

Por outro lado, o hemorrágico acontece quando ocorre uma ruptura dessa artéria e o consequente o extravasamento de sangue dentro do cérebro. Normalmente ,o AVC hemorrágico tende a ser mais grave do que o isquêmico, porém depende da pessoa que foi afetada. 

 

Daniela Pina, funcionária pública, relata que sofreu um AVC aos 34 anos, enquanto amamentava seu bebê  de apenas 7 dias. “Eu estava sentindo um cansaço extremo, e eu atribuía esse cansaço ao fato de eu não dormir porque minha neném acordava pra mamar de hora em hora”, completa. 

 

Daniela conta que a pressão arterial dela após o parto aumentou  muito, mas não teve complicações que pudessem causar o AVC como pré-eclâmpsia ou eclâmpsia. Após o episódio, ela conta que teve a rotina completamente afetada, pois precisou se afastar do trabalho para cuidar da saúde. Agora está tomando remédios e fazendo o acompanhamento na rede de hospitais Sarah Kubitschek.

 

“Eu estou fazendo tratamento de reabilitação no Sarah, onde  fui admitida  no começo do ano. Aqui eu faço aula de reeducação à escrita, que é pra me estimular a pensar. Não tive danos na escrita, mas me estimula a pensar e as minhas sequelas foram maiores na parte cognitiva”, comenta.

 

O médico Espíndola  explica que estatisticamente os homens sofriam mais AVCs, por negligências com a saúde, mas com o passar do tempo as mulheres vêm sendo cada vez mais acometidas pelo AVC.  Ele explica que  esse motivo pode ser explicado muitas vezes pela mudança do estilo de vida, pois as mulheres estão cada vez trabalhando mais, com uma vida estressada e mais atribulada, aumentando os níveis de estresse.

 

“Vale lembrar que as mulheres são submetidas à parte de variação hormonal. Então todas essas alterações hormonais durante o ciclo menstrual e a menopaus, também predispõem ao AVC. Além do uso constante e contínuo de anticoncepcional, que pode ser um fator de risco”, completa.

 

Principais sinais de alerta para qualquer tipo de AVC

  • Fraqueza ou formigamento na face, no braço ou na perna, especialmente em um lado do corpo;
  • Confusão mental;
  • Alteração da fala ou compreensão;
  • Alteração na visão (em um ou ambos os olhos);
  • Alteração do equilíbrio, coordenação, tontura ou alteração no andar;
  • Dor de cabeça súbita, intensa, sem causa aparente.  (Fonte: Ministério da Saúde)

O neurocirurgião ressalta que os cuidados para evitar o AVC são cuidados básicos com o estilo de vida, ou seja, controlar a pressão arterial, controlar a diabetes, procurar fazer atividades físicas, controlar a obesidade e o colesterol. 



Fonte: Brasil 61

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar

Vídeos relacionados

Comentários